LOVE: A historia de lisey

Obra muito sensível onde o nosso querido Stephen King conseguiu mostrar que sabe escrever sobre amor também, mas claro, o mestre do terror não poderia criar algo sem colocar pelo menos um toque sobrenatural no enredo, nem que seja de leve. Aqui não foi tão leve assim.


Sinopse: Lisey Landon compartilhava uma intimidade profunda e, às vezes, assustadora com seu marido, Scott, um escritor célebre e cheio de segredos. Um desses segredos era a fonte de sua imaginação, um lugar com a capacidade de curá-lo ou destruí-lo. Agora, dois anos depois da morte de Scott, chega a vez de Lisey enfrentar os demônios do seu marido, embarcando em uma perigosa viagem na escuridão que ele habitava. LOVE é uma parábola sobre a imaginação e o amor, e sobre o poder do amor em transformar e de salvar.


A história começa com Lisey finalmente encarando seu processo de luto, após 2 anos da morte de seu marido. Scott Landon era um escritor muito famoso e cativante que se destacava pela sua personalidade atraente e divertida. Mas nem tudo era assim tão luminoso. Scott havia passado por momentos terríveis em sua vida e Lisey estava ali do lado dele com total dedicação e afeto. Guardando todos os seus segredos e angustias.

Além disso existe um segredo que envolve a forma com que Scott criava seus enredos. Algo meio sombrio, mas fantástico e que é o grande lance dessa obra. Esse segrede é na verdade um lugar, chamado Boo'ya Moon, uma espécie de segunda dimensão que existia só dentro da cabeça do escritor, mas que algumas outras pessoas poderiam ter acesso. Veja bem, estamos falando de um romance do Stephen King, não espere coisas simples e rasas. Em suas obras tudo tem um passado complexo e grande personalidade.


Agora vamos falar sobre a experiência de leitura que eu tive: Não foi das melhores e eu terminei a obra bastante descontente até que eu precisei contar sobre a trama para uma amiga e dessa forma me peguei analisando tudo daquele emaranhado de palavras malucas e... De repente me peguei fascinada pelas interpretações que a obra pode nos dar. Quer dizer, quando você sai da primeira camada e deixa a obra se dissolver dentro de você é que a magia acontece. Existem mil coisas que podemos falar desse livro e eu espero que ao menos algumas delas sejam passadas para a série que está sendo exibida no momento.



O livro fala sobre amor sim, mas fala também sobre escapismo e sobre a luta travada pelos escritores para criarem suas obras. Dá um destaque enorme também para a esposa de um grande escritor. Aquela figura que fica à sombra nos eventos, mas que muitas vezes é o que forma a base para o artista criar sua arte. Achei muito lindo o King ter feito essa homenagem para sua esposa Tabita King.

A questão aqui é que a trama vai e volta no tempo porque a história é basicamente feita de flashback e daí acaba ficando um pouco cansativo, mas no fim das contas foi tudo muito necessário pra carregar a gente por todo aquele mundo maluco. Stephen King já mostrou que pode ser bastante complexo quando escreveu sua série infinita "Torre Negra"! Esse livro tem um pé naquele mundo e isso já explica muita coisa.

Bom, espero ter convencido mais alguém a ler essa obra. Não esperem terror, mas sim um drama muito bem elaborado e com um final magnífico!


Ps: A série é horrível! Extremamente confusa e parada. Mesmo com o excelente elenco, não conseguiu atingir o nível que merecia. Recomendo o livro mesmo.

Músicas inspiradas em livros

Então o pessoal do Canal da Antofágica resolveu fazer uma lista com algumas músicas que foram criadas com inspiração em livros da literatura mundial e reuniu 10 dicas pra gente. Eu amei o vídeo e vou deixar pra vocês no final do post, mas resolvi trazer um pouco mais de cada obra (que eu conheço) citada por aqui, vem conferir:



1 - Nirvana - Scentless Apprentice - Inspirado no livro O PERFUME de Patrick Susking publicado em 1985. Esse livro é visceral, gente. É brutal e sensível ao mesmo tempo. ´Chega a ser poético em algumas partes, mas beira o terror e o drama na mesma medida. O filme baseado na obra é tão bom quanto e algumas pessoas até preferem a adaptação por ser muito bem produzida.




2 - Led Zeppelin - Ramble On - Inspirado na Saga do Senhor dos Anéis, mas aqui a busca é por uma garota e não um anel! A letra da música é bem interessante! Essa saga é uma das mais importantes dentro do gênero de fantasia e merece algum destaque! Obrigada Zeppelin!







3 - David Bowie - Diamond Dogs - Álbum inteiro Inspirado na distopia 1984 de George Orwell. Um dos livros mais icônicos entre as distopias, 1984 despertou o interesse dos músicos nos anos 60/70 porque eles entenderam de fato a mensagem que Orwell queria passar. Assustadoramente essa obra é atual até hoje. á um medo de ler e se identificar, viu! Recomendo.



4 - Legião Urbana - Monte Castelo - Renato Russo conseguiu incluir em sua música versos de ninguém mais do que Luiz Vaz de Camões, um dos maiores poetas da história. Quem não se lembra de ouvir: "Amor é fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente;" - Gente, Camões é muito mais do que esse poema, essa coletânea que coloquei aqui tem coisas maravilhosas. É sem sombra de dúvidas uma das minhas leituras preferidas da vida!




5 - Radiohead - Banana CO. - Inspirado em Cem Anos de Solidão de Gabriel García Márquez - Se esse livro não aparecesse aqui eu ficaria triste. A canção fala da devastação que as companhias produtoras de bananas fizeram na América Latina. O acontecimento é real e se deu em ARACATACA, cidade aonde GABO usou para se inspirar e criar a inesquecível Macondo! Novamente é um dos livros mais importantes dentro do seu gênero. Acredito que Realismo Fantástico não seria as mesma coisa sem essa obra.



6 - Jay-Z - 100$Bill - Escreveu a canção para o filme O grande Gatsby (Estrelado por Leonardo DiCaprio), filme baseado na obra de mesmo nome do escritor F. Scott Fitzgerad. Como pode eu não ter percebido isso? Eu amo esse filme, amo o livro mais ainda e foi o que me fez apaixonar por Fitzgerald. Hoje ele sempre está entre minhas leituras mais amadas.





7 - Marisa Monte e Arnaldo Antunes - Amor I Love You - Colocou um trecho inteiro (declamado por Arnaldo) do livro O Primo Basílio de Eça de Queiroz dentro da música. todo mundo sabe o quanto esses dois são ligados à literatura, Arnaldo com muito mais destaque. Ele acredita que as duas artes sempre andam juntas e eu concordo com isso!




Agora que você já ficou morrendo de vontade de comprar pelo menos metade dessa lista, se inspira no vídeo deles - que tem mais dicas de musicas e livros) e aproveita pra seguir o canal da Antofágica que é sempre muito cheio de informação!



Lavoura Arcaica - Raduan Nasar

Alguns livros já chegam com uma carga negativa para quem se aventura no mundo da literatura. Geralmente isso acontece com os clássicos que são tristemente tachados de difíceis ou cansativos e na maioria das vezes isso não é verdade.

Obviamente que eu entendo que cada livro exige certo nível de maturidade do leitor para que sua experiência seja vivida da forma mais plena possível, mas nenhuma obra é impossível. Lavoura Arcaica foi um desses pra mim.

Sinopse: Lavoura arcaica é um texto onde se entrelaçam o novelesco e o lírico, através de um narrador em primeira pessoa, André, o filho encarregado de revelar o avesso de sua própria imagem e, consequentemente, o avesso da imagem da família. Lavoura arcaica é sobretudo uma aventura com a linguagem: além de fundar a narrativa, a linguagem é também o instrumento que, com seu rigor, desorganiza um outro rigor, o das verdades pensadas como irremovíveis. Lançado em dezembro de 1975, Lavoura arcaica foi imediatamente considerado um clássico, "uma revelação, dessas que marcam a história da nossa prosa narrativa", segundo o professor e crítico Alfredo Bosi.

O que acontece com esse livro? É narrado em primeira pessoa por um rapaz completamente transtornado. Pensa na confusão que é, mas... A escrita de Raduan Nassar é simplesmente impecável. Ele mescla o texto pesado e chocante com descrições poéticas tão sublimes que o ato mais repugnante se torna belo. Acredito que a história é tão interessante quanto a escrita é atraente.

Tudo começa com André recebendo seu irmão Pedro em um quarto de hotel em que ele se hospedou ao fugir de casa. Acontece que o rapaz carrega dentro de si algo muito forte que o impede de simplesmente voltar e é isso que vemos nas primeiras paginas: Esse conflito tão profundo e medonho que atravanca seus pensamentos.

“Não se pode esperar de um prisioneiro que sirva de boa vontade na casa do carcereiro; da mesma forma, pai, de quem amputamos os membros, seria absurdo exigir um abraço de afeto; maior despropósito que isso só mesmo a vileza do aleijão que, na falta das mãos, recorre aos pés para aplaudir o seu algoz; age quem sabe com a paciência proverbial de um boi: além do peso da canga, pede que lhe apertem o pescoço entre os canzis. Fica mais feio o feio que consente o belo.”

Nesse ponto o leitor mais despreparado pode achar o livro um pouco complexo, mas conforme o tempo vai passando e André vai conseguindo se expressão e colocar para fora tudo que sente, a escrita acompanha essa clareza e as coisas começam a fazer mais sentido.

O irmão (assim como o leitor) não entende direito o que o fez tomar essa atitude e mantém os argumentos rudes do pai. Isso piora ainda mais a situação porque esse é um dos motivos que impulsionou André a tomar seu rumo para longe de casa. Além dessa rotina brutal que o pai impunha aos filhos e também as obrigações de trabalho que nada interessavam ao rapaz nasce dentro dele um amor muito profundo por ninguém menos do que sua própria irmã.

Sim, é um livro que te tira do conforto. É complicado ler sobre o amor belo e puro de um rapaz quando este é incestuoso. É tão bem descrito e tão poético que dás um nó na cabeça da gente e o final é outro petardo!

Diante disso nos espanta saber que Raduan Nassar abandonou essa carreira tão rica e promissora para se dedicar exclusivamente às atividades rurais. #VoltaRaduan

Recomendo muito essa leitura. Aproveita e compra o livro AQUI NA AMAZON!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...